quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Psicólogos querem direito de ter confissão de fé na identidade profissional


 Psicólogos querem direito de ter confissão de fé na identidade profissional
A Psicóloga Marisa Lobo, Presidente da ASSOCIAÇÃO DE PSICÓLOGO E PROFISSIONAL PRÓ FAMILIA (ACPPF), recém-criado pra defender direitos  de profissionais, bem como proteger a família biológica natural tradicional, e orientar profissionais em sua liberdade de crença e de expressão, que é Cristã protestante (evangélica), e tem sido conhecida como a psicóloga que está sofrendo processo ético por  negar retirar de suas redes sociais referencia que faz a DEUS, e sua fé; e  o PSICÓLOGO de Brasília especialista em direitos Humanos Luciano Garrido Católico Apostólico Romano estão requerendo direitos de constar sua identidade religiosa na carteira  PROFISISONAL de psicólogo, e Juntos divulgando e fazendo conhecer aos psicólogos que este é um direito legítimo.
 
Esta semana entregaram um requerimento formal junto ao conselho de psicologia de seus estados, Marisa Lobo que já havia questionado o Conselho regional sobre esta possibilidade e ainda não obtendo resposta esta semana seguindo o exemplo de Luciano Garrido entregou novamente o pedindo por meio de requerimento formal, e esperam resposta bem como represálias já que o conselho federal de psicologia tem se mostrado relutante em aceitar discutir direitos de religião aos profissionais de psicologia.
 
Para Luciano Garrido, que já vem denunciando os desmando do conselho de psicologia, e que recentemente foi chamado ao conselho para dar explicações por suas declarações contra atitudes que considera usurpação de poder,
 
Luciano foi um dos primeiros psicólogos a concordar com a posição da psicóloga Marisa Lobo e apesar de sua luta não ser religiosa dentro dos questionamentos que faz contra o conselho, após a perseguição contra Marisa Lobo resolveu manifestar sua fé e como  profissional  também quer ter  direito de ter os mesmo direitos dado aos homossexuais, que tem em sua carteira de identidade seu nome social direito concedido pelo conselho de psicologia isonomia é o que defende, e liberdade religiosa..
 
Para a psicóloga Marisa Lobo, além desse direito, diz “meu paciente também tem o dele de escolher o profissional, sabendo de qual religião pertence se for da vontade do profissional deixar isso explícito”. Estamos inseridos em uma sociedade Cristã, e  como clínica não posso negar que meus pacientes se sentem confortáveis ao saber que sou Cristã creio este ser um direito dele.
 
É impossível não ser influenciado  pelo seu terapeuta 100%, e creio que o paciente, sabendo de minha fé, ainda que no setting terapêutico, não faça referência, será produtivo meu paciente se sentirá seguro, pois se ele me procura tem que saber quem sou eu, e minha fé é minha identidade. Se há uma seleção ai, talvez sim, mas não eu quem me procura o que é um direito do meu paciente.
 
Muitos pacientes procuram sim, seus terapeutas pela confissão de fé, até mesmo os sem religião, não podemos negar esta verdade, tanto que existe associação Brasileira de psicólogos espiritas, budista, parapsicólogos etc., só querem deixar de ser hipócritas e assumir de forma legal nosso direito para não sermos perseguidos, isso não quer dizer que induzirei quais quer convicções dentro do meu consultório, porém de certa forma protege o profissional de futuras armadilhas.
 
Abaixo segue o requerimento elaborado por Luciano Garrido e divulgado pela Psicóloga em seus sites e redes sociais. Marisa Lobo esclarece que este requerimento foi entregue ao deputado Marco Feliciano, que transformará em projeto de lei, e ou indicação legal para estender esse direito a todos os profissionais que assim desejarem.
 
Marco Feliciano, que está defendendo a psicóloga Marisa Lobo, juntamente com a frente parlamentar, acredita ser este um dos meios legais para se requerer direitos, “se”, foi dado direto civil ao travesti, de colocar em sua carteira profissional seu nome social, tem que ser dado igualmente direito àqueles que desejarem que conste sua confissão de fé e como parlamentar, tenho a obrigação de lutar legalmente para que esse direito seja legitimado ao profissional não somente ao psicólogo, mas a todo e qualquer profissional, pois não podemos esquecer que vivemos em um país laico e professar sua fé e expô-la é direito constitucional, argumenta deputado Feliciano.
 
 
 
AO PRESENTE CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO PARANÁ 8ª REGIÃO.
 
Eu, ........................, estado civil................, psicóloga(0), inscrita no CRP ...... sob o nº ........., CPF .......... Residente e domiciliado a Rua ......... bairro .......cidade ........ estado........ Respeitosamente venho requerer direitos civis de profissional como se segue.
 
Venho Através deste requerimento esclarecer e informar que:
 
CONSIDERANDO o direito a livre manifestação da crença religiosa, previsto na declaração universal de direitos humanos, no seu artigo XVIII.
 
CONSIDERANDO o direito à cidadania e o princípio da dignidade da pessoa humana, previstos no artigo 1º,inc.I e III da constituição Federal de 1988;
 
CONSIDERADO que ninguém pode ser privado de direitos por motivo de crença religiosa, conforme Art 5º, inciso VIII, da constituição Federal de 1988.
 
CONISDERANDO o dispositivo na lei nº 6.206/75, a qual dá valor de documento de identidade ás carteiras expeditas pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional;
 
CONSIDERANDO que nos termos do artigo 14 da lei nº 5.766/71 e art 47 do decreto nº 79.822/77 e art 47 da resolução CFP nº 003 /2007, o documento de identificação do psicólogo é a carteira de identidade profissional;
 
CONSIDERANDO que o artigo 47 do Decreto nº 79.822/77 estabelece que deferida a inscrição será fornecida ao psicólogo carteira de identidade profissional, em que serão feitas anotações relativas á atividade do portador;
 
CONSIDERANDO decisão do plenário do Conselho Federal de Psicologia do dia 17 de Junho de 2011, e
 
CONSIDERANDO A resolução 14/2011, que dispõe sobre a inclusão do Nome Social no campo “observação” da carteira de identidade profissional do psicólogo e da outras providências .
 
Dessa forma , requer a este Conselho que assegure o direito á manifestação de minha crença religiosa, autorizando que a denominação “Cristã Protestante” conste no campo “observação” da minha Carteira de Identidade Profissional de Psicólogo , pois é desta maneira que sou reconhecida em minha comunidade e em minha inserção social. A identidade religiosa merece tratamento isonômico frente a outras formas de Identidade.
 
Termos em que
 
Pede deferimento
 
Cidade , data 2012
 
Assinatura
 
CRP. .......

Fonte: http://www.guiame.com.br/noticias/colunistas/marisa-lobo/psicologos-querem-direito-de-ter-confissao-de-fe-na-identidade-profissional.html

Divulgação:



terça-feira, 2 de outubro de 2012

CONVOCAÇÃO DE TODOS PSICÓLOGOS PRÓ-FAMÍLIA, ASSISTENTES SOCIAIS E EDUCADORES, EM APOIO Á RECONSTRUÇÃO DA FAMÍLIA.


CONVOCAÇÃO DE TODOS PSICÓLOGOS PRÓ-FAMÍLIA, ASSISTENTES SOCIAIS E EDUCADORES, EM APOIO Á RECONSTRUÇÃO DA FAMÍLIA.


NÃO SE ESQUEÇA DE VOTAR NA ENQUETE AO LADO:
VOCÊ DEIXARIA SUAS CRIANÇAS DE ‘UNS 8 ANOS’ BRINCAREM SEXUALMENTE EM PAZ?
FAÇA TAMBÉM UMA REFLEXÃO COM AS FOTOS NO RODAPÉ DESTE ARTIGO


Carta aberta a todos os psicólogos, educadores cristãos e/ou tradicionais de todo Brasil.

Por Marisa Lobo

Psicólogos pró-família, assistentes sociais e educadores em apoio à reconstrução da família.

Caros profissionais e/ou estudantes (Psicologia, Assistência
Social e Educação
) de todo Brasil,

Marisa LoboRecentemente, criamos um Corpo de Psicólogos Pró-Família para discutirmos vários assuntos ligados à família e ao seu bem-estar:

as afrontas que a família vem sofrendo pela mídia, o descaso da atual Psicologia e outras ciências afins, a tentativa de “desconstrução” da família e sua redução a um simples amontoado de pessoas.

Um dos fatores que me levaram à criação deste Corpo de Psicólogos Pró-Família é que precisamos questionar a ridicularização, a banalização de nossa fé. Como profissionais,
precisamos nos unir e exigir respeito na forma da lei, pois muitos profissionais e estudantes de todo o Brasil estão se escondendo por medo dos Conselhos e por não conhecerem seus direitos
adquiridos de manifestar sua fé e dar sua opinião, direitos esses afirmados pela Constituição, mas negados pela Psicologia e por outras profissões.

O meu caso foi declarado pela Ordem dos Advogados do Paraná como perseguição religiosa. O relatório oficial da OAB/PR foi amplamente divulgado na mídia, mas escondido pelo Conselho de Psicologia. Há, senhores, um conflito ético, e estamos lutando pela nossa liberdade.

É momento de nos unirmos e nos ajudarmos, requerendo nossos direitos sociais, ou seremos, por omissão, engolidos por uma mentira criada por uma militância política de um Conselho que tem se mostrado totalmente parcial, persecutório e, portanto, antiético.

Precisamos fortalecer o movimento Corpo de Psicólogos Pró-Família (CPPF), para viabilizarmos discussões e colaborarmos com a elaboração de leis que favoreçam a família brasileira como medida protetiva e preventiva contra as drogas, aborto, violência doméstica, ao mesmo tempo que promovam a sexualidade saudável. Não podemos aceitar a desconstrução da família natural e tradicional (biológica), nem a desconstrução de Deus (nossa fé), nem a desconstrução da sexualidade (heterossexual).

Nossa intenção não é fortalecer preconceitos, mas justamente sermos justos e diminuí-los. Precisamos deixar claro que, para direitos adquiridos, não precisamos destruir a família natural, tradicional, biológica, mas, sim, reconstruí-la como medida protetiva, pois entendemos que a família é um fator de proteção, mas também de risco. Assim, fortalecendo os laços afetivos das famílias, estaremos contribuindo com a sociedade e com o cidadão nas quatro dimensões – biológica, psicológica, social e espiritual – em que se insere a família.

Destacamos que quem mais sofre com essa tentativa de desconstrução são as crianças, jovens e
adolescentes desta Nação.

Entendemos a família como fator fundamental de proteção ao indivíduo e de sua ressignificação e resiliência, além de ser, igualmente, fator de combate ao preconceito. Por conseguinte, devemos lutar pela reconstrução da família, e não pela desconstrução proposta pela mídia, por grupos e pelas próprias profissões, muitas vezes contaminadas pelo relativismo que condenou o homem à escravidão da realização de desejos, que não
são necessariamente os ideais de todo cidadão, nem tampouco significam felicidade.

Chamo a todos os psicólogos e profissionais conclamados a que se posicionem como cristãos e defendam estas causas com sabedoria, mas sem medo de sofrerem retaliação, pois é nosso direito e dever preservar a família, e só conseguiremos este feito em união organizada.

INSCRIÇÃO NO CORPO DE PSICÓLOGOS PRÓ-FAMÍLIA

Estamos inscrevendo psicólogos, educadores, assistentes sociais e estudantes de todo o Brasil, para nos ajudarem com artigos e referências técnicas que questionem a nova Psicologia e as profissões, com o intuito de fortalecer os laços familiares e não aceitar ações e teorias falaciosas e tendenciosas, cujo objetivo é
destruir a família, apoiar o consumo de drogas, o aborto, a sexualidade do gênero neutro, a trigamia, enfim, sem valores nenhuns. Se não lutarmos contra isso, a referência de família acabará.
 
CONVOCAÇÃO
Convoco a todos que se importam com o tema a se inscreverem e a divulgarem esta ideia, reunindo o maior número possível de psicólogos no Brasil. Peço que divulguem este e-mail (marisalobo@psicologiacrista.com.br), pois vamos organizar encontros para essas discussões e precisamos da ajuda e da parceria de todos.



Precisamos questionar e denunciar estes pontos:

<!1.    professores que falam em sala de aula contra nossa fé e nos ridicularizam;
<!2.   professores que divulgam o ateísmo como estilo de vida e falam contra a fé em DEUS;
<!3.   profissionais que falam sobre o gênero neutro (precisamos questionar esse ponto e encontrar referências de onde vem) ;
<!4.   legalização de drogas (referências de texto que provem sua ação como benéfica);
<!5.   contra as comunidades terapêuticas (referência estudos, achismos);
<!6.   legalização do aborto (referências de estudos que provem que é benéfico, e como o psicólogo poderá dar um aval para tal ato, e a questão da não concordância do psicólogo com o ato, como proceder.);
<!7.   trigamia (como a Psicologia vê os problemas sociais e psicológicos gerados nos filhos de famílias trigâmicas, por exemplo);
<!8.   até que ponto o kit gay pode influenciar a criança (positiva ou negativamente; outra forma de evitar o preconceito sem correr o risco de incentivar o ato);
<!9.   perseguição de psicólogos (como os psicólogos têm se posicionado e como têm sido tratados por serem cristãos e/ou a favor da família tradicional);
<!10.  bullying  (todas as formas de bullying que sofrem os cristãos);
<!11.  sexualidade da criança (referências que provem que incentivar o toque no mesmo sexo é favorecimento da inteligência);
<!12.  família como fator de proteção (referência).

Literatura
Precisamos de literatura de tudo o que for ligado a esses assuntos. Escrever um texto e mandar pelo e-mailmarisalobo@psicologiacrista.com.br, para divulgação entre o grupo e para dar apoio aos estudantes.

Incentivar temas para monografias e/ou trabalhos de conclusão de curso

Incentivar alunos da graduação e/ou pós-graduação, mestrado e doutorado a fazerem monografias ou TCCs ligados a temas como:
 
: importância da fé no processo terapêutico (ou algo referente à fé).
Gênero Neutro: a questão do gênero neutro e como essa forma de pensar, como esse movimento pode prejudicar a saúde mental e a sexualidade da criança.
Drogas: questões sobre prejuízos cognitivos, comportamentais, sociais, saúde mental, relações, motivação, etc.
Aborto: complicação, síndrome do suicídio, sociedade, etc.
Sexualidade da infância: transtornos, conflitos.
 
Perseguição Religiosa
Precisamos incentivar nossos profissionais a se imporem em salas de aula. Precisamos denunciar toda forma de preconceito sofrido por alunos e professores em sala de aula, bem como profissionais em locais de trabalho.

Questionamento
Cada um que tiver um questionamento traga ao grupo, para que nos ajudemos mutuamente com material e referências, divulgando entre nós textos principalmente da Psicologia pura, e não desses movimentos anticientíficos de hoje.

Reuniões do Conselho de sua cidade:
Precisamos organizar reuniões do Conselho de Psicologia de seu Estado, para questionar essas novas teorias e movimentos e suas técnicas, e não achismos, pois a Psicologia de hoje está totalmente contaminada por falácias e ideias sem fundamentação teórica.

Encontros Estaduais e Nacionais
Temos que organizar encontros estaduais e nacionais para discutir essas questões. Precisamos de uma representante em cada Estado, para organizar os trabalhos estaduais

Precisamos de voluntários
Jornalistas
Designer para melhorar nosso site e rede social
Advogados
Secretárias

Meus endereços:

@Marisa_lobo
Marisalobopsic
41-78173494

Grata
Marisa Lobo, psicóloga e cristã


Corpo de Psicólogos Pró-Família

Nome
Data de nascimento
Cidade onde mora
Endereço
Curso e/ou profissão
Faculdade
Período do curso
Ano da formatura
Idade
e-mail
Fones
Igreja a que pertence
Fone
Pastor e/ou padre, se tiver

Que DEUS nos abençoe .
A família é a instituição criada por Deus, e vamos defendê-la!
Att,
Marisa Lobo

"ADENDO: A ADHT, Associação para Defesa da Heterossexualidade, da Família e Casamento Tradicionais; contra o aborto; e combate a quaisquer crimes de discriminação, de perseguição religiosa e outros; apoia integralmente esta iniciativa e dispõe de seus meios de comunicação para ajudar a conscientizar os cristãos Brasileiros e desafiá-los a fazer diferença e trabalhar para defender nossos princípios familiares, morais e cívicos para consolidação da democracia Brasileira. 

Endossamos o Desafio a todos os profissionais das áreas de 
Psicologia,Assistência Social e Educação de todo Brasil a participarem em todos estes eventos. Faça o máximo esforço possivel, não fique fora. Envie um email com seus dados agora mesmo ao email marisalobo@psicologiacrista.com.br.



VAMOS IMPACTAR O BRASIL E A AMÉRICA LATINA


Karl Marx afirmou que “para criar um perfeito Estado socialista, você deve destruir a família. Você tem que pôr o governo e sua autoridade acima dos pais na educação dos filhos".
“Para o triunfo do mal só é preciso que os homens de bem não façam nada”.
(Edmund Burke).


_____________________________________

AGORA RESPONDA PARA SI MESMO:
QUAL DESTAS MULHERES VOCÊ QUER EM PROJETOS PARA O NOSSO PAÍS?


Marisa Lobo 
OU 
QUERO FAZER PORNÔ