quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

Eliézer de Mello Silveira denunciou Luiz Mott ao Ministério Público Federal da Bahia: APOLOGIA DE CRIME DE PEDOFILIA. Luiz Motta, professor universitário, líder do movimento gay, petista, esquerdista, marxista e socialista da Universidade Federal da Bahia, agraciado por LULA por medalha, se orgulha de ter tido relações sexuais com mais de 500 homens, deve ir URGENTE PARA CADEIA POR FAZER APOLOGIA A PEDOFILIA. Um abismo chama outro abismo!

http://luis-cavalcante.blogspot.com/2011/12/eliezer-de-mello-silveira-denunciou.html

domingo, 13 de novembro de 2011

New York Times features article on the ex-gay experience! My Ex-Gay Friend

Click on ”Read the full story” below and then follow the link to access the New York Times magazine article Going Straight concerning Michael Glatz and his experience working through this unwanted homosexual attractions. While the story is his own and does not necessarily represent a typical NARTH client his observations and thoughts are very interesting. They represent a perspective usually missing in the popular press on the subject of homosexuality.


Michael Schmelling for The New York Times
Michael Glatze in Wyoming in March.

CLICK HERE:
http://www.nytimes.com/2011/06/19/magazine/my-ex-gay-friend.html?ref=magazine&pagewanted=all

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Study raises questions about conventional theories regarding sexual risk behavior among gay and bisexual men

Study raises questions about conventional theories regarding sexual risk behavior among gay and bisexual men

Reviewed by Christopher Rosik, Ph.D.

A significant body of research literature related to health behavior theories has assumed that health-related attitudes, beliefs, and behavioral skills precede and causally influence subsequent health behavior. In the area of sexual risk behavior among gay and bisexual men, this has translated into an assumption that beliefs and attitudes toward safe sex practices influence subsequent sexual activity and that interventions need to focus on changing these views (e.g., psychoeducation regarding condom use). However, a recent study has raised serious questions regarding the accuracy of this conventional wisdom (Huebner, Neilands, Rebchook, & Kegeles, 2011).

The authors observe that the vast majority of research in this area has been cross-sectional in nature, meaning that the data are collected at one point in time and thus definitive conclusions about causality between variables cannot be made. Thus, strong associations between sexual risk attitudes toward and concurrent reports of actual risky behaviors may not tell us as much as we thought about the causes of these behaviors. In addition, the limited number of longitudinal studies, in which data is collected from the same sample over two or more time periods (making causal explanations possible), has provided decidedly mixed findings regarding causal pathways. The authors suggest that health behavior theories may have limited value when it comes to complex sexual risk behavior among high risk populations. In spite of all these uncertainties in the literature, the pathway from attitudes and beliefs to sexual risk behavior among gay and bisexual men has frequently been assumed by mental health professionals and public health officials.

Huebner et al. observe that a generally ignored alternative theory may need to be given more serious consideration. From this vantage point, the authors assert, “it is possible that individuals engage in sexual behavior for multiple reasons, some of which have little to do with their health-related attitudes and beliefs, but that they subsequently adjust those attitudes and beliefs accordingly so that they are consistent with their previous behaviors” (p. 112). They note that this situation would explain significant cross-sectional correlations as well as the limited or inconsistent longitudinal effects of thoughts and emotions on actual sexual behavior.

To test this possibility, Huebner and colleagues conducted a sophisticated analysis using structural equation modeling that allows for strong causal inferences to be made with longitudinal data. A sample of 1248 gay and bisexual men were surveyed twice in an 18 month period regarding their frequency of engaging in unprotected insertive and receptive anal intercourse with any nonprimary partner. Peer norms and attitudes for safe sex were also measured. The results were clear: contrary to theories of health behaviors, attitudes and norms did not predict subsequent unprotected anal sex when initial behavior was statistically controlled. Instead, sexual risk behavior predicted subsequent norms and attitudes when initial norms and attitudes were statistically controlled. The authors conclude, “in contrast to the causal predictions made by most theories of health behavior, attitudes and norms did not predict sexual risk behavior over time….These findings are more consistent with a small, but growing body of investigations that suggest instead that engaging in health behaviors can also influence attitudes and beliefs about those behaviors” (p. 114).

Limitations of the study included a convenience sample, significant sample attrition, and an inability to test for other potentially relevant causal pathways. Thus, replication is needed to increase our confidence that causality does indeed flow from sexual risk behavior to changes in attitudes and beliefs about those behaviors. Nonetheless, these findings raise a number of important questions that appear to need much greater consideration.

First, if engaging in sexual risk behavior leads to changes in beliefs and attitudes that legitimize such behavior, is it wise to encourage early self-labeling and sexual activity among male adolescents experiencing same-sex attractions? Could participation in early homosexual risk activity such as unprotected (or even protected) anal intercourse lead some adolescent boys down a path of homosexual activity and identity and away from what might have been an eventual heterosexual adjustment?

Second, how did social scientists and policy makers come to presume that the body of research pertaining to sexual risk behaviors among gay and bisexual men confirm traditional health behavior theories? How did causal assumptions that had no definitive foundation in the methodology of most studies become the basis for public health intervention? It seems plausible that the dynamics of groupthink or the pull of funding pressures have worked against the development of novel and, perhaps, less politically correct theories about sexual risk behavior. If this is even partially correct, it would seem to argue in favor of more sociopolitical diversity in the development of theory and research within the health behavior literature in general and the gay, lesbian, and bisexual literature specifically.

The findings of Huebner and his associates may not provide conclusive information to answer these kinds of questions, but at the very least their research suggests there is an empirical rationale for asking them.

Reference

Huebner, D. M., Neilands, T. B., Rebchook, G. M., & Kegeles, S. M. (2011). Sorting through chickens and eggs: A longitudinal examination of the associations between attitudes, norms, and sexual risk behaviors. Health Psychology, 30(1), 110-118.


Fonte: http://narth.com/2011/11/study-raises-questions-about-conventional-theories-regarding-sexual-risk-behavior-among-gay-and-bisexual-men/

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Conselho Federal de Psicologia é uns dos braços ideológicos dos Militantes Gays para homossexualizar e sodomizar a sociedade e relativizar a pedofilia e o incesto!

Psicóloga afirma que Conselho Federal de Psicologia tem feito partidarismo para militantes gays

Em entrevista ao Gospel Prime Marisa Lobo ela fala da perseguição que tem sofrido e como pretende se defender de todas as acusações         

Psicóloga afirma que Conselho Federal de Psicologia tem feito partidarismo para militantes gays

A psicóloga Marisa Lobo saiu do anonimato ao se posicionar contra o que chamou de “partidarismo do Conselho Federal de Psicologia” (CFP) e apresentou uma denuncia formal através do deputado e pastor Marco Feliciano, passando a ser talvez a mulher cristã mais odiada no país por militantes gays e psicólogos não cristãos.

Ela tem um currículo extenso que inclui um estágio na Mont Sinai Hospital, em New York, a convite do governo dos Estados Unidos, trabalhando na Divisão Internacional de Atenção Primária a Saúde. Marisa Lobo também tem três livros publicados e uma agenda de palestras em todo o Brasil.
Evangélica, ela frequenta, juntamente com o seu esposo Jofran, a Igreja Batista do Bacacheri, em Curitiba e por professar sua fé tem sido alvo de inúmeros ataques de militantes gays que tentam impedir que ela se manifeste contrária às práticas homossexuais. Perseguição que ela classifica como “heterofobia, teofobia, preconceito por eu me declarar Cristã”.

Marisa tem travado uma batalha pessoal contra o CFP, pedindo que o conselho adote uma postura ética e deixe de tomar partido nas causas homossexuais. Marisa pede também que o CFP seja investigado por suas atitudes e cita em entrevista ao Prime um suposto dossiê, com vídeos, fotos e documentos que comprometeriam o CFP.

Acompanhe a entrevista:

Gospel Prime – Como a senhora se sente ao ser considerada a maior psicóloga cristã do Brasil a que se deve esta fama?

Marisa Lobo – Não me considero a melhor do Brasil, Jesus sim é o maior psicólogo da humanidade. Me considero ousada e pronta a realizar a tarefa de defender com meu conhecimento o evangelho, como todo profissional cristão deveria fazer.

Por que a senhora se define como “Psicóloga Cristã”, dá pra conciliar religião com profissão?
Marisa – Porque sou Cristã, creio em Jesus Cristo como meu único Senhor e Salvador, creio que ele cura, sara e liberta. E tenho sido agraciada com essa verdade, além do mais, essa é minha orientação de fé. E tudo, absolutamente tudo em minha vida está subordinado á palavra de Deus inclusive minha profissão, creio ser por isso que sou, graças a Deus, bem sucedida.

Você tem sido lembrada como a psicóloga que está enfrentando o Conselho Federal de Psicologia (CFP), a senhora reconhece esta fama?

Marisa Lobo – Apenas tomei uma posição perante mim mesma, a de cobrar atitude deste conselho que nos cobra tanta ética, nos fiscaliza o tempo todo e, tem tido comportamentos partidários, tem militado em causas como se fosse um partido político e não um conselho federal da profissão.
Pra você o CFP tem sido partidário ao abordar a questão da homossexualidade no Brasil?
Marisa Lobo – Com certeza tem sido. Participando até em marchas Gays em são Paulo, por exemplo, com carro de som e tudo. Fazendo passeatas em Brasília, com projetos inclusive de mudar a identidade do profissional que se considerar um travesti, e quiser ser chamado por outro nome.

Se nós como psicólogos não podemos induzir orientação sexual, religião e política, porque o conselho em nome de uma pseudo proteção das minorias milita induzindo a convicções partidárias em todas as áreas, quem fiscalizará este conselho?

O CFP abriu novo procedimento de avaliação para apurar as denuncias feitas contra o pastor e deputado Silas Malafaia, a senhora acredita que o CFC cassará o registro profissional do pastor Silas?

Marisa Lobo – Não, pois se acontecer será perseguição heterofóbica e religiosa. Eles estão sem moral para isso, acho que deveriam investigar a si próprios.

Saiu um dossiê de um psicólogo não evangélico, que mostra fotos, vídeos da militância do CFP isso sim tem que ser investigado, e já está sendo pelo Delegado Francischini, hoje Deputado Federal, pelo Fenasp, pelo deputado Marco Feliciano, por senadores e pelos próprios psicólogos que estão se sentindo enganados, lesados pelo CFP que extrapola em suas ações, usando a questão da Homofobia, para promoção pessoal, como é possível observar nas denuncias feitas pelo psicólogo Luciano Garrido do distrito federal, que não é evangélico.

No Twitter você tem sido constantemente atacada por ativistas do movimento homossexual a que se deve estes ataques?

Marisa Lobo – Heterofobia, teofobia, preconceito por eu me declarar Cristã, por ter ousado questionar o conselho sobre o conteúdo do KIT gay, que é absurdamente sexualizado. Tanto que a presidenta Dilma Russef, com a força da nossa frente da família, acabou com esse kit, e o CFP, foi as ruas, militando como um partido político cobrando atitude da presidenta. Como se fosse da competência do conselho tal atitude, isso foi uma militância explicitamente gay. De forma ostensiva e se escondendo atrás de uma bandeira que nos faz duvidar das verdadeiras intenções, pois me parecem estarem legislando em causa própria. Tem muita coisa por detrás desse comportamento, além de acabar com o preconceito. Se essa fosse a verdadeira causa, estariam centrados, discretos, agindo conforme o código de ética.

A senhora já teve alguma denuncia por se posicionar contra a homossexualidade?

Marisa Lobo – Na verdade eu não me posicionei contra a homossexualidade, porque o conselho persegue todos que o fazem, apenas dou minha opinião. Mas oficialmente não, apenas tenho a informação de que já teriam encaminhado mais de 40 denúncias, contra mim, pelo menos é o que eles dizem, talvez para me amedrontar. Inclusive colocaram meu registro profissional nas redes sociais pedindo para militantes da causa me denunciarem.

O que faria se tivesse seu registro cassado por isso?

Marisa Lobo – Eles não poderiam, sei dos meus direitos. Mas caso acontecesse com certeza pediria investigação para apurar esses comportamentos do conselho, porque seria perseguição religiosa e isso eu não aceito de forma alguma. Temos o Fenasp toda uma bancada evangélica acompanhando essa perseguição, além de católicos, psicólogos e padres.

Nos comentários em seu twitter muitos criticam sua posição religiosa, a senhora se sente perseguida?

Marisa Lobo – Muito, e agradeço a Deus por isso, pois é cumprimento de sua palavra, e depois só me perseguem porque estou incomodando, porque temem, porque sabem que tem fundamentos minhas críticas, e eles nem sonham com o batalhão de psicólogos insatisfeitos, com a postura desse conselho e com essa ditadura de minorias que está se instalando no Brasil.

Tem sido orientada por alguém quanto as suas opiniões nas redes sociais?

Marisa Lobo – Sim, tenho amigos deputados e advogados me acompanhando, parece que estamos vivendo uma ditadura mesmo, pois não se pode falar nada, que somos acusados, de homofobia, de destilar ódio. Só eles querem ter direitos especiais, eu também quero como mulher ser respeitada, e me desrespeitam. Não podemos falar da família tradicional criada por Deus, que os ofende. Tudo tem limite, não podemos aceitar mais isso, respeitar sim, aceitar de forma alguma, porque é uma mentira, querem transforma nossa sociedade em uma sociedade esquizofrênica. Negar a verdade em favor de mentiras que escondem uma libertinagem absurda, e questões que prejudicam diretamente a família mundial. Podem ter direitos sim, mas para isso tem que ridicularizarem os nossos?

Você lançou uma campanha com o pastor Marco Feliciano para saber quem aprovaria um plebiscito para a união de pessoas do mesmo sexo, como tem sido esta campanha?

Marisa Lobo – Sim, para saber o que a população pensa do assunto. Já que o pedido partiu de um dos nossos deputados evangélicos, o pastor Marco Feliciano.

As pessoas comentam?

Marisa Lobo – Sim, a maioria não aceitou a decisão do STJ. E sinto muito terem feito isso, estão contribuindo com o aumento do preconceito e quanto a palavra igualitário, não tem sentido, pois casamento é família tradicional. A única constituída por Deus. Podemos até aceitar que o mundo mudou e que as famílias são diferentes, mas todas vem de uma base formal, natural, tradicional e isso é inegável.

Fonte: http://noticias.gospelprime.com.br/psicologa-afirma-que-conselho-federal-de-psicologia-tem-feito-partidarismo-para-militantes-gays/

domingo, 9 de outubro de 2011

Estudo garante: reverter homossexualidade é possível

Estudo garante: reverter homossexualidade é possível


A mudança é possível para os homossexuais? Tentando responder esta questão, um estudo publicado em um jornal científico pela primeira vez em uma década, mostra que mudar a orientação sexual é possível.

The Journal of Sex and Marital Therapy contém os resultados finais de um estudo longitudinal de indivíduos que buscam mudar a orientação sexual através de ministérios cristãos associados com a Exodus International, conforme foi divulgado pela Religion News Service quarta-feira.

Os Psicólogos Stanton L. Jones (Wheaton College, IL) e Mark A. Yarhouse (Regent University) fizeram uma pesquisa com 98 pessoas que procuvam mudar a orientação sexual. Níveis de evolução de atrações sexuais e distúrbios psíquicos foram avaliados no início do processo de mudança e cinco vezes em um período total de 6-7 anos.

Dos 98 indivíduos, 61 foram classificados com sucesso para o resultado geral da última avaliação. O estudo descobriu que 53% foram classificados como bons resultados. Desses, 23% relataram o sucesso dos resultados na forma de conversão bem-sucedida à orientação heterossexual e 30% relataram a castidade de comportamento estável, sem identificação com a orientação homossexual. Quase no final, na marca de 6 anos, 20% relataram adotar totalmente a identidade gay.

Segundo o comunicado, os resultados mostram mudanças estatisticamente significativas, em média, da diminuição da orientação homossexual. Mas, as descobertas não provam que a mudança categórica na orientação sexual é possível para todos, mas eles mostram que mudanças reais parecem possíveis para alguns.

Os autores incitam o cuidado em projetar as taxas de sucesso a partir destes resultados, que são susceptíveis estimativas excessivamente otimistas do sucesso antecipado e apontam que a conversão para adaptação heterossexual foi um fenômeno complexo.

Os resultados do estudo não convenceram os críticos. Candace Chellew-Hodge, fundador do Whosoever, uma revista GLBT Oline para os Cristãos, encontrados em primeiro lugar que a pesquisa foi "suspeita", porque os pesquisadores são de faculdades cristãs conservadoras. Ele mostrou ainda sua preocupação também com as conclusões dos autores serem "excessivamente otimistas".

"Mesmo os pesquisadores chamam suas conclusões ‘excessivamente otimistas’", Hodge-Chellew disse de acordo com Religion Dispatches.

Chellew-Hodge criticou a metodologia, mencionando que o tamanho da amostra era pequena e que os resultados vieram de medo dos pesquisados. "A maior motivação única para estes 98 indivíduos, no entanto, certamente foi uma baseada no medo. Em resumo, eles viviam todos sob a ameaça do inferno .. "

Mas, o Dr. Stanton Jones defendeu a metologia, dizendo que "quanto mais rigoroso você ficar, mais longe você fica da vida real" e "todas as metodologias têm desvantagens", segundo relatado pelo CitizenLink.

"Seguimos mais um modelo da vida real do que um modelo hiper-experimental controlado", acrescentou ele, segundo a mesma publicação.

Jones respondeu àqueles, incluindo a American Psychological Association (APA), que disseram que a orientação sexual não pode ser mudada, dizendo que não existe para ele nenhuma pesquisa nesse sentido, e ele quer trazer à tona que a mudança é possível. "Acreditamos que os resultados desafiam a mentalidade reinante de que a mudança é impossível ou é extraordinariamente rara".

"Nós estávamos tentando resolver a questão básica ‘a mudança é possível?’ o fato de que alguém mudou é o que resultou deste estudo", disse ele.

Fortes convicções sobre o comportamento moral dos sujeitos, que eram todos Cristãos, descobriu ele, desempenhou um papel fundamental na mudança de orientação bem sucedida.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Brasil é o país que mais mata HETEROSSEXUAIS - são assassinados 50.000 por ano (CINCO vezes mais mortos do que a guerra do Itaque em 4 anos), total de 99.75% da população assassinada. Agora quanto aoS gays, é uma piada....são discriminados ou mortos apenas 200 por ano, ou seja 0.25% da população heterossexual assassinada (e maioria estavam em locais perigosos e prostituição).

Defesa Hétero disse...

Boa... já entramos com uma DENUNCIA contra o CFP por causa da Resolução CFP 01/99 e outra coisa, o CFP está atrelado a ABGLT e outras GLTTT da vida. Penso que a maioria dos conselheiros de psicologia são homossexuais e simpatizantes por isto que o Dr. Humberto Verona, todo "excited" falou no Nordeste que está trabalhando contra a HOMOFOBIA. Que homofobia? Acho que esse doutor pirou. Se ele se posicionasse contra o assassinato de 50.000 heterossexuais por ano (CINCO vezes mais mortos do que a guerra do Itaque em 4 anos), num ano só morre todo este batalhao de crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos hetrossexuais, perfazendo um total de 99.75% da população assassinada. Agora quanto ao gays, é uma piada....são discriminados ou mortos apenas 200 por ano, ou seja 0.25% da população heterossexual assassinada. E o presidente da CFP ainda fala em HOMOFOBIA? Vá trabalhar, seu vagabundo. Gaste seu tempo para dar apoio aos psicologos e tenha carater para cancelar esta lei exdruxula do CFP. Quando inquirido pelo MPF-RJ sobre como foi feito a lei. Sabe o que ele teve coragem de responder ao MPF-RJ? Que os SETE psicologos que fez esta lei em que eles preferem deixar o homossexual se SUICIDAR do que dar chance a um psicologo de ajudar um homossexual que voluntariamente quer deixar a pratica. Retrocedi os curriculos dos NOBRES PSICOLOGOS que fizeram a lei e para surpresa sabem quem eram os psiclogos em 1998 quando fizeram a Resolução CFP 01/99 ? Simples estudantes de psicologia, recem-formados. NENHUM deles tinha tido experiencia no campo. Todos ex-alunos. Pode-se chamar estas pessoas de NOBRE SABER? Acho que esse presidente é GAY tambem e está de rabo amarrado com a ABGLT e com outras associações e ativistas gays que tem um RENDOSO NEGOCIO de vender produtos pela Internet e nas lojas das Associações e proibem os gays de serem atendidos para que eles não tenham como deixar a pratica da homossexualidade sem ajuda. Faça voce mesmo a pesquisa que fiz e confirme.

ADHT – Associação para Defesa da Heterossexualidade e pelo casamento e família tradicionais, defesa e direitos das crianças e adolescentes dentro de uma visão hétero, contra o aborto e a
Agenda Gay.
Email: defesa_hetero@yahoo.com,
site : www.defesahetero.com
Pr. Dr. Alberto Thieme
Presidente

“Portanto, deixem todo costume imoral e toda má conduta. Aceitem com humildade a mensagem que Deus planta no coração de vocês, a qual pode salvá-los.” – Tiago 1.21 (BLH)

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Lewis y Bonhoeffer como modelos de vida universitaria

Lewis y Bonhoeffer como modelos de vida universitaria

Clique no linka abaixo para acessar a matéria:
http://cienciasdareligiaoreformacional.blogspot.com/2011/08/lewis-y-bonhoeffer-como-modelos-de-vida.html


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com/

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação

e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

terça-feira, 30 de agosto de 2011

O atual CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA não tem mais respeito e tem perdido a cada dia a credibilidade de entidade séria e científica para se tornar um antro de doutrinação ideológica homossexualizante! Precisamos de um novo conselho: Conselho Brasileiro de Psicologia

Marisa Lobo questiona Conselho Federal de Psicologia sobre passeata


A psicologa cristã, Marisa Lobo, enviou ao gabinete do deputado federal Marco Feliciano uma carta onde questiona a passeata realizada pelo Conselho Federal de Psicologia em apoio ao kit gay.
O deputado prometeu ocupar a Tribuna e questionar o conselho sobre a manifestação. Confira a carta enviada na íntegra:
V. Ex.ª. Deputado Federal Marco Feliciano

Venho através de o presente solicitar ao deputado que intervenha de alguma forma neste assunto abaixo explanado
Conselho federal de psicologia faz passeata em Brasília, com as cores do arco Iris, de forma pessoal Induzindo a população e profissionais a se posicionarem a favor de um kit gay, e questionando o governo sobre a suspensão.

Muitos psicólogos de todo Brasil, me procuraram este mês de agosto, para questionar a posição do conselho federal de psicologia que deu destaque de capa ao seu jornal mensal do mês de julho, para uma passeata da qual o participou como militante, questionando a suspensão pelo governo do kit gay, nas escolas e apoiando este kit com a seguinte frase o conselho de psicologia apóia o projeto escola sem homofobia, questionando, o governo deixando claro,, que está de forma pessoal nesta campanha, pois negligência o bem estar psicológico de crianças que ainda estão em formação, não podendo de forma algumas ser estimuladas precocemente, em sua sexualidade seja para que propósito for .

Psicólogos de todos os conselhos regionais estão questionando a posição do conselho federal, por não terem sidos consultados, já que as grandes maiorias dos profissionais não concordam com o conteúdo deste (kit-gay- agora chamado por eles de projeto escola sem homofobia,) por acreditar ser este material, muito sexualizado, inapropriado, expondo assim crianças a uma sexualidade exacerbada, induzindo crianças a uma sexualidade precoce, podendo gerar conflitos futuros emocionais e até mesmo com sua identidade sexual, pervertendo sua libido original, o que é comprovado pela mesma psicologia, que a promove.

O conselho federal de psicologia agiu de má fé, pois trata o assunto de forma parcial, com abuso de poder de forma arbitrária, quando toma uma decisão tão séria , sem consultar a grande maioria dos psicólogos que não concordam com o pré-conceito, com a homofobia, porém não concordam igualmente, com o conteúdo, da campanha além de ir contra as diretrizes e código de ética do próprio conselho que diz

? ?Estimular reflexões que considerem a profissão como um todo e não em suas práticas particulares, uma vez que os principais dilemas éticos não se restringem a práticas específicas e surgem em quaisquer contextos de atuação?.


O conselho federal desrespeitou as diretrizes, e o código quando, se envolveu de formal pessoal nesta causa, sem se preocupar em fazer valer as suas próprias diretrizes. já que não expressa a opinião da maioria dos profissionais.

O que os psicólogos questionam, é que esta suspensão do kit gay, foi providencial, pois a forma como foi feita, e o conteúdo, não previne homofobia e sim incentiva, comportamentos sexuais, desperta para o sexo, tornando a sexualidade do ser humano resumida em uma pratica de sexo para obtenção de prazer apenas sexual. Além de deixar a criança confusa, podendo ainda induzir a violência, já que o conteúdo contem cenas impróprias, constrangedoras para uma criança, e mexe com valores, estabelecidos no seio familiar de alguns, portanto sendo conflitante, e não podemos de forma alguma, para lutar com um determinado tipo de violência gerar outra a emocional, por exemplo, a ansiedade, de não dar conta do que se está aprendendo, sendo induzindo a convicções sexuais, por exemplo, como condena o conselho de ética que regulamenta a classe.

O código de ética do psicólogo diz no seu Art. 2º - Ao psicólogo é vedado:
b. Induzir a convicções políticas, filosóficas, morais, ideológicas, religiosas, de orientação sexual ou a qualquer tipo de preconceito, quando do exercício de suas funções profissionais

O Conselho federal de psicologia cobra, essa posição de todos os seus profissionais e abusou de forma truculenta, sem ética alguma, com este jornal, como essa passeata, está induzindo convicções políticas, morais, e de orientação sexual, ao psicólogo que não concorda, com determinadas posições sofre o risco de ser punido pelo conselho podendo até ser casado, e ao conselho federal que vai investigar essa ação tão antiética, qual a punição e quem dará a esse conselho?


Pois como estão tratando a questão do homossexualismo, daqui a pouco vamos nós que temos nossa sexualidade em equilíbrio biológico de genro achar que somos nós os errados.


Uma coisa é aceitar a pessoa como ele é outra coisa é eu ser obrigado a ser como ele, para não me taxarem de homo fóbico. Se começarmos ficar refém dessas atitudes desrespeitosa com receio de perdermos voto, vamos transformar nosso país em um BRASIL amoral, sem lei, sem regras sem princípios e sem ética. Tudo em nome de um prazer seja ele qual for isso é muito sério.


O conselho de psicologia não pode, nem deve se envolver como uma instituição nesta causa de forma tão pessoal, isso não é democracia, isso é arbitrariedade, é ir contra a te mesmo com a liberdade de expressão tão apregoada por alguns grupos .

Atenciosamente
PSICÓLOGA MARISA LOBO
CRP 08/07512 ?CURITIBA- PARANÁ
 
 
Marisa Lobo - psicóloga e pós graduada em saúde mental, com especialidade em dependência química e transtornos psicológicos e bacharel em teologia. Também é organizadora da EXPOCRISTO e coordenadora Geral da campanha "Maconha Não".
 
 
 
 
 
 
Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com/

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação
e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Por quê aumenta o envolvimento de psicólogos, pedagogos, professores universitários, médicos, advogados, juristas, promotores, membros das entidades de "direitos humanos", esquerdistas e socialistas na defesa intelectual, teórica e "científica" da PEDOFILIA?

Por quê aumenta o envolvimento de psicólogos, pedagogos, professores universitários, médicos, advogados, juristas, promotores, membros das entidades de "direitos humanos", esquerdistas e socialistas na defesa intelectual, teórica e "científica" da PEDOFILIA?

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://pedofilianauniversidade.blogspot.com/2011/08/por-que-aumenta-o-envolvimento-de.html

domingo, 21 de agosto de 2011

Lançamento do livro: Uma nova visão - O aconselhamento e a condição humana através das lentes da Escritura

Lançamento do livro: Uma nova visão - O aconselhamento e a condição humana através das lentes da Escritura

A Chancelaria da Universidade PResbiteriana Mackenzie lançará o livro do autor DAvid Powlison.

Data: 31/08/2011
Horário: 18:00
Local: Centro Histórico Mackenzie - Rua Itambé, 35 - Higienópolis - São Paulo
Setor: Chancelaria
Contato: (11) 2114-8718


Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

e

http://jornalsaopaulopresbiteriano.blogspot.com

e

http://psicologiareformacional.blogspot.com

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

A desonestidade científica de Ulisses Capozzoli: 171 epistêmico sobre o status de teorias científicas no contexto de justificação teórica

A desonestidade científica de Ulisses Capozzoli: 171 epistêmico sobre o status de teorias científicas no contexto de justificação teórica

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://biologiareformacional.blogspot.com/2011/08/desonestidade-cientifica-de-ulisses.html



Divulgação:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

Conferência acadêmica busca normalizar pedofilia

Conferência acadêmica busca normalizar pedofilia

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
Divulgação:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/

Senado francês repele “casamento” homossexual

Senado francês repele “casamento” homossexual

Deputado Christian Vanneste
O Senado da França rejeitou definitivamente o projeto do Partido Socialista que visava a aprovar o “casamento” homossexual. Para a mídia, a votação mostrou que “os valores tradicionais vigoram em muitas partes da França”. A Corte Constitucional havia definido que as leis que impedem o “casamento” homossexual não violam a Constituição e que só o parlamento poderia estabelecer esse “casamento”. Diferentemente dos magistrados, os deputados dependem do voto popular para conservar seus cargos e não duvidaram em rejeitar o projeto. O deputado Christian Vanneste qualificou dita união de “aberração antropológica”, enquanto a deputada Brigitte Bareges perguntou com ironia: “Por que não se propõe também casamento com animais, ou a poligamia?”

Fonte: Revista Catolicismo_Agosto 2011
Fonte via: IPCO
Divulgação:

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA REFORMADA

Reformar a Sociedade Brasileira através da Reforma da Educação e Cultura a partir da Cosmovisão Cristã, Reformada e Calvinista.

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Associação Americana de Psicologia apoia “casamento” de mesmo sexo em votação de 157 a 0

WASHINGTON, D.C., EUA, 8 de agosto de 2011 (Notícias Pró-Família) — A Associação Americana de Psicologia (AAP) reafirmou seu apoio ao “casamento” de mesmo sexo pelo oitavo ano consecutivo, desta vez com uma declaração com uma linguagem mais forte.
Na véspera da convenção anual deste ano, o órgão da associação que elabora políticas apoiou o “casamento” de mesmo sexo unanimemente numa votação de 157 a 0.
A AAP vem apoiando “casamento” para duplas homossexuais desde 2004, e benefícios semelhantes ao casamento desde 1997, e agora se considera “uma forte defensora de plenos direitos iguais para indivíduos LGBT por aproximadamente 35 anos”.
A resolução deste ano é a primeira expressão da posição da associação desde 2004, e inclui apoio mais forte ao “casamento” de mesmo sexo através da afirmação da possibilidade de relacionamentos gays de longo prazo e da crítica ao estresse que as campanhas a favor do casamento tradicional causam aos gays.
Certa autoridade da AAP indicou que a recente propagação do “casamento” gay nos Estados Unidos, de forma especial em Nova Iorque, tornou mais ousado o apoio público da associação para a normalização do “casamento” de mesmo sexo.
“Agora, à medida que o país realmente começou a experimentar o casamento gay, nossa posição é muito mais clara e mais direta — que a igualdade de casamento é a política que o país deveria estar avançando”, diz Clinton Anderson, diretor da Secretaria de Preocupações Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneras da AAP.
A declaração de postura oficial agora afirma que “muitos homens gays e lésbicas, como seus semelhantes heterossexuais, desejam formar relacionamentos íntimos estáveis, duradouros e fiéis e têm êxito nesse propósito”, e que campanhas para defender o casamento tradicional são “uma fonte significativa de estresse” para os homossexuais.
A homossexualidade foi desclassificada como desordem mental em 1973 no Manual Diagnóstico e Estatístico de Desordens Mentais (MDEDM), o critério padrão para a classificação de doença mental, depois de anos de pressões políticas e legais por parte de grupos gays.
O Dr. Robert Spitzer, que foi o encarregado da mudança do MDEDM, reverteu sua posição sobre terapia para homossexuais aproximadamente 30 anos depois para apoiar a terapia de reorientação sexual com base em sua própria pesquisa.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Artigos relacionados no Blog Julio Severo:

Divulgação: ICER - INSTITUTO DE CULTURA E EDUCAÇÃO REFORMADA

quinta-feira, 14 de julho de 2011

sábado, 9 de julho de 2011

Homens são mais felizes em casamentos longos

Homens são mais felizes em casamentos longos

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://saudereformacional.blogspot.com/2011/07/homens-sao-mais-felizes-em-casamentos.html

+++++

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Apoio:

FRENTE BÍBLICA E POLÍTICA DE UNIDADE de Cristãos, Reformados, Calvinistas, Puritanos, Evangélicos, Teonomistas e Pentecostais para Orientação e Organização Política e Estabelecimento da Moral nas Eleições de 2012 e 2014 no Estado de São Paulo.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/2011/07/frente-biblica-e-politica-de-unidade.html

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!

Abriram as Inscrições para o Congresso de Psicologia e Cristianismo no Mackenzie!


O Mackenzie vem oferecendo há vários anos congressos internacionais de grande porte onde são tratados temas relevantes para a comunidade acadêmica e para o público em geral. Nestes congressos procura-se abordar os assuntos do ponto de vista da confessionalidade cristã reformada do Mackenzie em diálogo com outros olhares e entendimentos.

Este Congresso sobre Psicologia e Cristianismo segue esta linha de abordagem. Os principais palestrantes, Dr. David Powlison e Dr. Eric Johnson, são doutores formados em universidades seculares na área de psicologia, e tratarão do tema do ponto de vista cristão. Outros palestrantes, igualmente preparados, lançarão um olhar secular e crítico sobre esta relação entre fé e psicologia.

É um momento inédito, em que uma Universidade de grande porte e renome encara o assunto Psicologia e Cristianismo pelo viés cristão sem perder o diálogo com outras abordagens do tema.

As inscrições já estão abertas. CLIQUE AQUI para se inscrever e para mais informações.

As palestras serão transmitidas ao vivo pela internet e ficarão disponíveis para download gratuito após o evento.

Fonte: http://tempora-mores.blogspot.com/2011/07/abriram-as-inscricoes-para-o-congresso.html
+++++

Divulgação: http://luis-cavalcante.blogspot.com

Apoio:

FRENTE BÍBLICA E POLÍTICA DE UNIDADE de Cristãos, Reformados, Calvinistas, Puritanos, Evangélicos, Teonomistas e Pentecostais para Orientação e Organização Política e Estabelecimento da Moral nas Eleições de 2012 e 2014 no Estado de São Paulo.
http://educacaoeculturareformada.blogspot.com/2011/07/frente-biblica-e-politica-de-unidade.html

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Batalha Moral: Os desafios da igreja diante do movimento gay

Batalha Moral: Os desafios da igreja diante do movimento gay



Revista Apologética Cristã traz artigo de Julio Severo



Revista Apologética Cristã traz artigo de Julio Severo

A revista Apologética Cristã deste mês é uma edição especial sobre homossexualismo. Há vários artigos de diferentes especialistas. Um dos artigos é de minha autoria e trata do imperialismo homossexual.
Para fazer a assinatura, siga este link: www.revistaapologetica.com.br

Parabéns, mil parabéns para o deputado JOÃO CAMPOS/GO. Cura de gay – Deputado quer suspender veto de tratamento. Precisamos urgente tirar os pseudos-psicólogos que defendem a depravação da PEDOFILIA E HOMOSSEXUALISMO. Fora as resoluções iníquas do Conselho Federal de Psicologia que impede que profissionais possam tratam de pessoas insatisfeitas, tristes, viciadas em drogas por causa do HOMOSSEXUALISMO!

“Cura” de gay – Deputado quer suspender veto de tratamento

O deputado João Campos (PSBD-GO) apresentou um PDC (Projeto de Decreto Legislativo) que, se aprovado, suspenderá a resolução 1/99 do CFP (Conselho Federal de Psicologia) que proíbe o tratamento para curar gays e lésbicas.

Para o CFP, homossexualidade não é doença, nem distúrbio ou perversão — não é o caso, portanto, de tratamento. O conselho também proibiu que os psicólogos se manifestem publicamente contra a homossexualidade, para não reforçar um preconceito.

Campos (foto) milita contra o movimento gay que reivindica igualdade de direitos. Ele é presidente da FPE (Frente Parlamentar Evangélica) e pertence à Frente Parlamentar em Defesa da Família e do Fórum Evangélico Nacional de Ação Social é Política.
Ele quer a suspensão da resolução para que ela seja submetida ao Judiciário. O deputado entende que o CPF, ao editar a medida, tomou uma decisão que implica abuso de poder, “usurpando competência do Poder Legislativo”.

O PDC parece ter sido elaborado sob medida para o caso da psicóloga evangélica Rozângela Alves Justino. Em julho de 2009, o CFP a censurou publicamente por oferecer o tratamento para que pessoas deixassem a homossexualidade. Na prática, ela foi impedida de cuidar de pacientes com esse propósito.



Rozângela (foto) se defendeu com o argumento de que tinha de atender os homossexuais que a procuravam. Ela acusou o conselho de tolher a sua liberdade de expressão.

Na época, ela deu uma entrevista com uma máscara médica e óculos escuros para não ser reconhecida porque, disse, estava sendo ameaçada de morte por integrantes do movimento gay.

Atualmente, mantém um blog onde
Manifestação em 2009 de partidários da psicóloga

apoia a militância anti-gay, como a do deputado Campos.

O PDC, para ser votado no plenário, terá de ser aprovado pelas comissões de Seguridade Social e Família e pela de Constituição e Justiça.

Na época alguns manifestantes foram até o Distrito Federal apoiar a iniciativa da Psicologa Rozângela, e na Marcha para Jesus alguns manifestantes se lembraram do episodio e levaram também faixas.

Clique na foto e confira matéria sobre o o tema em Julho/09
E leia a matéria da punição da psicologa em Agosto/09 – clique na foto
Fonte: Câmara dos

domingo, 19 de junho de 2011

Condenamos a atitude do Professor e Psicólogo (marxista, socialista, esquerdista e construtivista) Hubert Van Gijseghem que defende a prática da pedofilia.

Condenamos a atitude do Professor e Psicólogo (marxista, socialista, esquerdista e construtivista) Hubert Van Gijseghem que defende a prática da pedofilia.

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://pedofilianauniversidade.blogspot.com/2011/06/condenamos-atitude-do-professor-e.html

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal e Registros Públicos de Goiânia, Jeronymo Pedro Villas Boas, mostra que há esperança para o STF se recuperar da sua imoralidade: "Mesmo com decisão do STF, casal gay tem união estável cancelada em Goiás"

O juiz da 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal e Registros Públicos de Goiânia, Jeronymo Pedro Villas Boas, mostra que há esperança para o STF se recuperar da sua imoralidade: "Mesmo com decisão do STF, casal gay tem união estável cancelada em Goiás"

Clique no link abaixo para acessar a matéria:
http://corrupcaojuridica.blogspot.com/2011/06/o-juiz-da-1-vara-da-fazenda-publica.html

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Homeopatia pode curar homossexualidade, dizem médicos cristãos

Homeopatia pode curar homossexualidade, dizem médicos cristãos

O Sindicato dos Médicos Católicos (UCP) da Alemanha está oferecendo em seu site um tratamento homeopata que cura a homossexualidade. Chamado de “Terapias Alternativas para a Homossexualidade” o método é oferecido como a única forma de fazer com que indivíduos com inclinação para a homoafetividade sejam “tratados” e “curados”.

(...)
Em 1993 a Organização Mundial de Saúde (OMS) não classifica mais a homossexualidade como doença. Mesmo sabendo disso a associação médica e religiosa apresenta algumas opções para a “cura’ como n “os tratamentos homeopáticos… com diluições, por exemplo, da chamada platina”, a “psicoterapia” e o “aconselhamento espiritual”.

“Conhecemos um certo número de pessoas com sentimentos homossexuais que sofrem muito e passam por um estado de emergência espiritual e psicológica”, declarou o líder da associação médica Gero Winkelmann para a revista online Telepolis.

“Se alguém está infeliz, doente ou sente que precisa de socorro, precisa ter a oportunidade de encontrar opções de ajuda como nós.”

(...)
Winkelmann defende os tratamentos alternativos dizendo que as intenções da organização não são “ferir ou pressionar ninguém”, mas oferecer uma “posição e opinião médica” para os interessados.

Mesmo que a UCP afirme não representar as políticas oficiais dos católicos, a Igreja Católica Alemã continua a lidar duramente em sua abordagem à homossexualidade, afastando sacerdotes que se assumem publicamente.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Pavablog

Fonte na íntegra: http://www.walcordeiro.com.br/v1/2011/06/04/homeopatia-pode-curar-homossexualidade-dizem-medicos-cristaos/

terça-feira, 7 de junho de 2011

Psicólogo de Esquerda e Liberal aliciava menores via internet

No Pará, PF prende psicólogo que aliciava menores via internet

Lucas Azevedo
Especial para o UOL Notícias
Em Porto Alegre


Agentes da Polícia Federal (PF) no Rio Grande do Sul prenderam em Belém (PA) um psicólogo suspeito de aliciar menores pela internet. A prisão, realizada na tarde desta terça-feira (7), ocorreu após investigação iniciada em 15 de abril, em Porto Alegre. Na ocasião, um menino de 13 anos procurou a PF e denunciou o homem, de 29 anos, que induzia garotos a se despirem em frente à webcam.

Um amigo do menino denunciante, da mesma idade, estaria sendo chantageado pelo psicólogo para que produzisse mais imagens íntimas.

Através do e-mail do acusado, os agentes descobriram que ele aliciava outros menores, produzindo material pornográfico. Com auxílio de policiais federais do Pará, foi cumprido mandado de prisão preventiva e de busca e apreensão expedidos pela Justiça Federal de Porto Alegre, na chamada “Operação Efebo”.

Na casa do acusado foram encontradas imagens de pornografia envolvendo menores.

O psicólogo, que não teve o nome divulgado, foi conduzido a Porto Alegre e será indiciado por produção, posse e transmissão de imagens de pornografia infantil, além de aliciamento de menores pela internet.

Segundo a Superintendência da PF no Rio Grande do Sul, o nome da operação faz referência ao termo “efebo”, surgido entre os gregos para designar o jovem do sexo masculino que era iniciado na vida sexual por um homem mais velho.

Fonte: http://noticias.bol.uol.com.br/brasil/2011/06/07/no-para-pf-prende-psicologo-que-aliciava-menores-via-internet.jhtm

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Psicoterapeuta cristã condenada por má conduta profissional por terapia reparativa

Psicoterapeuta cristã condenada por má conduta profissional por terapia reparativa

LONDRES, Inglaterra, 1 de junho de 2011 (Notícias Pró-Família) — Uma psicoterapeuta cristã poderá ser cassada e proibida de exercer sua profissão depois que um tribunal declarou na semana passada que os esforços dela para ajudar homossexuais a deixar o “estilo de vida gay” eram “irresponsáveis”
Lesley Pilkington
A Associação Britânica de Aconselhamento e Psicoterapia (ABAP) condenou Lesley Pilkington por negligência profissional depois que ela deixou suas “opiniões pessoais preconcebidas sobre o estilo de vida gay e a orientação sexual… afetarem seu relacionamento profissional de um jeito que era prejudicial”.
A justificativa contra Pilkington foi uma operação secreta conduzida pelo jornalista e ativista homossexual Patrick Strudwick, que recorreu a ela em 2009 pedindo ajuda para vencer sua atração de mesmo sexo. Strudwick estava gravando secretamente as conversações em suas sessões de terapia e usou as gravações para dar parte de Pilkington na ABAP.
Embora as decisões do tribunal devessem ter caráter confidencial, Strudwick publicou resumos no jornal Guardian. Em resposta, o Centro de Defesa Cristã publicou outros resumos, entre os quais estava o comentário da ABAP de que Strudwick havia “de modo significativo enganado [Pilkington], levando-a a acreditar que ele estava se sentindo bem e aceitando o modo dela tratá-lo” e que ele havia “manipulado o conteúdo das sessões de modo considerável a fim de atender à sua própria agenda”.
Apesar disso, a ABAP condenou Pilkington de negligência profissional por ter estendido as sessões com Strudwick durante as horas designadas e por não aconselhar Strudwick depois que ela havia se encontrado com o marido dela enquanto o jornalista gay estava do lado de fora do consultório.
O veredicto declarou que Pilkington será suspensa como membro da ABAP e que o registro profissional dela será cassado se ela não se submeter a um treinamento.
Strudwick publicou uma transcrição de seu encontro com Pilkington no jornal Independent em fevereiro de 2010. Em seu artigo no Guardian desta semana, Strudwick defendeu suas ações, afirmando que ele é um “homem gay assumido e feliz”.
Ele confessa que pediu que Pilkington o ajudasse, dizendo: “Eu pedi que ela me tornasse um homem normal. As tentativas dela de fazer isso zombam de todos os grandes órgãos de saúde mental da Inglaterra”.
Pilkington está recorrendo da decisão e defende a “terapia reparativa”, dizendo: “Estou profundamente preocupada com o fato de que o relacionamento privilegiado e confidencial entre um conselheiro e seu paciente ficará minado por um jornalista buscando um caso sensacionalista sem nenhuma base”.
“O que o Guardian fez foi abuso. Assim sendo, recomendo agir com moderação”.
Ela acrescentou: “A terapia reparativa é uma terapia válida que muitas pessoas querem e não deveria ser prejudicada por reportagens irresponsáveis. Ainda dá para se recorrer da audiência do tribunal”.
Artigos relacionados:
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.